Skip to content

Em outubro de 2020, o Banco Central do Brasil lançou o PIX, um sistema de pagamentos em tempo real que oferece agilidade e facilidade de uso. O PIX foi introduzido para trazer QR codes interoperáveis para carteiras digitais 24/7/365, o que significa que os pagamentos pessoa a pessoa (P2P) podem ser feitos de maneira conveniente e instantânea e que os comerciantes podem aceitar pagamentos sem incorrer em despesas extras de aquisição. Isso foi transformador para os pagamentos no Brasil.

Olhando para trás, um ano após o lançamento, o PIX aumentou a adoção de pagamentos digitais no Brasil, trazendo maior inclusão financeira. Durante a pandemia, a adoção de serviços financeiros digitais resultou em uma redução de 73% da população sem banco. Com todos os seus benefícios, o PIX é, sem dúvida, o futuro dos pagamentos no Brasil, mas que efeitos indiretos isso teve na vulnerabilidade dos consumidores à fraude, e o que podemos fazer para evitá-la?

Limitar os valores das transações evita o crime?

Nos últimos meses, houve um ressurgimento de sequestros no Brasil, nos quais as pessoas são mantidas reféns até que façam o repasse de recursos. Embora não esteja provado, a polícia atribuiu o aumento de 40% nos sequestros ao PIX. A resposta do banco central do Brasil foi colocar um limite de transferência de R$1.000,00 em pagamentos P2P durante a noite, quando os sequestros são mais prováveis. Ainda não se sabe se essa solução funcionará.

Para entender o problema e encontrar uma solução potencial, precisamos olhar para o início dos anos 2000, quando criminosos sequestravam pessoas para sacar dinheiro em caixas eletrônicos. Naquela época, o que realmente ajudou a mitigar o crime foi limitar a quantidade de dinheiro acessível, bem como implementar soluções de inteligência artificial, que permitiram aos bancos recusar certas transações, com os consumidores eventualmente se acostumando a quedas de vez em quando. Então, essa estratégia pode funcionar com o PIX?

Embora possa causar um impacto, não funcionará tão eficientemente como funcionava com cartões e caixas eletrônicos. O benefício do PIX é conveniência e transações instantâneas. Os limites de transferência apenas tornarão mais difícil o uso do PIX quando for necessário para um consumidor, anulando o propósito do sistema de pagamentos em tempo real e bloqueando o desenvolvimento do sistema bancário no Brasil. Em vez de impedimentos direcionados aos criminosos, há uma necessidade de um gerenciamento robusto de fraudes por parte do banco.

Crimes financeiros em curva de todos os ângulos

Fraud prevention strategies have always been focused on stopping the fraudsters in action, but As estratégias de prevenção de fraudes sempre se concentraram em impedir os fraudadores em ação, mas nossa mentalidade precisa ir além da ofensiva e incluir também a defesa. Os pagamentos em tempo real vêm com facilidade de movimentação de dinheiro e melhor visibilidade dos fundos disponíveis, mas sua natureza instantânea significa que as transações fraudulentas são liquidadas mais rapidamente, tornando-as mais difíceis de corrigir uma vez que a fraude ocorreu. Com os pagamentos em tempo real, há uma necessidade maior de todas as partes no processo de pagamento bloquearem a fraude no momento em que ela acontece.

Até agora, nos concentramos em impedir a fraude no início de uma transação, avaliando comportamentos estranhos. No entanto, a estratégia certa é também parar o crime na ponta receptora – o “banco” do criminoso. Se o banco destinatário perceber que uma quantia incomum está sendo recebida em uma conta inativa, por exemplo, ele deve ser interrompido imediatamente, retido e investigado. Para que isso funcione, o banco na ponta receptora da transação precisa ser responsabilizado pelo KYC e pelas estratégias de mitigação dos órgãos reguladores.

A tecnologia de prevenção de fraude em vigor hoje deve ser capaz de analisar e agir sobre o comportamento anormal nas transações de entrada, da mesma forma que faz com as transações de saída. A tecnologia que inclui análise de grupo de pares, recursos aprimorados de criação de perfil e machine learning estão prontos e disponíveis para combater o crime do lado receptor, mas também precisa haver incentivos. Sem um incentivo, esses crimes não podem acabar e outros crimes, como a lavagem de dinheiro, continuarão a passar pelo sistema financeiro. Um processo de integração eficiente é necessário, mas não resolverá o problema por conta própria. As instituições financeiras precisam de um caminho estruturado e confiável para reverter as transações, bem como regulamentos que garantam que as instituições financeiras que não têm uma governança adequada sobre suas contas assumirão as perdas financeiras. Esse pode ser todo o incentivo necessário.

Abrindo caminho para uma melhor prevenção de fraudes por meio da colaboração

Porém, implementar melhores defesas contra fraude não significa que devemos esquecer a ofensiva. A prevenção de fraude no início de uma transação também deve evoluir (para crimes PIX e não relacionados a PIX). As instituições financeiras devem se juntar a redes de compartilhamento de inteligência e trabalhar juntas para priorizar a segurança do ecossistema.

Com o aumento da colaboração, os sinais capturados quando uma transação é iniciada evoluirão da simples captura de um cliente legítimo versus um fraudador para como o cliente está se sentindo fisicamente. Por exemplo, se o cliente está em perigo, a tecnologia biométrica pode detectar comportamentos anormais quando o cliente está usando seu smartphone para fazer uma transação PIX. Isso não levará necessariamente a uma transação recusada, mas pode ser um sinal que acompanha a transação, que será então interpretado por uma solução de inteligência artificial na extremidade receptora. Esse sinal se correlacionará com outros sinais dentro da rede de inteligência, trabalhando em conjunto para impedir o que os criminosos mais desejam – obter acesso ao dinheiro.

Ao combinar inteligência de rede com regulamentações mais rígidas para impedir transações fraudulentas no lado receptor das transferências, removeremos a oportunidade de crime financeiro via PIX e além. Sem oportunidade, sem crime. A oportunidade para os criminosos acessarem dinheiro via PIX não é apenas de onde a transação é iniciada. Esse pensamento divergirá os esforços e frustrará mais os clientes do que parará os criminosos. O foco deve estar na extremidade receptora – é aí que está a oportunidade real para uma recuperação rápida, contanto que a instituição financeira seja incentivada e responsável.

Leia mais sobre Network Intelligence e a revolução no gerenciamento de riscos de pagamentos em tempo real

Head of Payments Intelligence & Risk Solutions

Cleber Martins joined ACI Worldwide in 2001 and has 20 years of experience in implementing industry-leading enterprise fraud prevention solutions and anti-money laundering strategies. Cleber’s enthusiasm for driving innovation in fraud prevention stems from the pride he takes in protecting both his banking customers, and the people and communities they serve. Throughout his career Cleber has been at the forefront of the evolution of machine learning: from a focus on inputting human experience into machines, to its modern form that empowers fraud experts to combine their real intelligence with AI. Cleber calls this trend toward business users wielding new models, the democratization of machine learning. Cleber’s key areas of expertise include helping payments leaders to develop multi-faceted fraud prevention strategies that combat modern threats, as well as creating actionable intelligence in payments data, and the evolution of fraud prevention into a Customer Experience differentiator for organizations.

[class^="wpforms-"]
[class^="wpforms-"]
[class^="wpforms-"]
[class^="wpforms-"]
[class^="wpforms-"]
[class^="wpforms-"]