Skip to content

ACI Blog

Inclusão Financeira nos Países em Desenvolvimento

O caminho para a inclusão financeira

A jornada rumo a uma maior inclusão financeira já começou, com sua integração em sete dos 17 objetivos de desenvolvimento sustentável das Nações Unidas, e é a principal idéia por trás de várias iniciativas, incluindo a iniciativa Acesso Financeiro Universal até 2020 (UFA2020), criada pelo Grupo Banco Mundial. A iniciativa compromete a fornecer a um bilhão de pessoas o acesso a uma conta de transação por meio de intervenções direcionadas até 2020.

Apesar dos esforços que os bancos tradicionais fizeram para a inclusão financeira, quase dois bilhões de pessoas permanecem sem-contas em banco. Os modelos bancários tradicionais não foram suficientes para atingir essa população, e é necessário entender que os não-bancários têm as mesmas necessidades que a população com contas em bancos. A maneira de fornecer serviços deve mudar. Além disso, é necessário criar um novo modelo de negócios adaptado aos mercados de baixa renda com serviços de baixo custo, alta qualidade e facilidade de uso para trabalhar lado a lado com a alfabetização financeira e os provedores digitais.

De acordo com uma pesquisa de inclusão financeira da Celent Latin America, as barreiras percebidas pelos bancos em alcançar os não-bancários são a adequação do produto e a falta de documentação pessoal. Portanto, a inovação se torna essencial e, embora os bancos concordem que a inovação é crítica, metade deles admitiu que não está desempenhando nenhum papel em seus processos de planejamento estratégico.

Se as instituições financeiras não fizerem nada para alcançar esses mercados inexplorados, a concorrência de bancos desafiadores, fintechs e grandes players de tecnologia continuará. Por exemplo, na América Latina, 70 por cento da população está sem banco ou acesso bancário, e aqui fintechs estão ganhando popularidade entre esta população.

O papel dos telefones celulares na inclusão financeira

Os canais móveis são cruciais na inclusão financeira. O Economic Times nformou que 1,1 bilhão de adultos sem conta bancária têm um telefone celular, o que nos leva a pensar que o principal meio para fornecer serviços financeiros de maneira sustentável e acessível a todos deve ser por meio dos telefones celulares e dos serviços prestados pelas operadoras de redes móveis (ORMs).A adoção de telefones celulares no ecossistema de pagamentos não apenas revolucionará o sistema bancário tradicional, mas também a inclusão financeira. Enquanto o sistema bancário tradicional exija que os usuários entrem fisicamente em uma agência, o banco móvel (ou digital) coloca o acesso financeiro nas mãos das pessoas. Um dos exemplos mais relevantes de prestação de serviços financeiros aos não-bancários por meio de telefones celulares está no Quênia, com o sistema de pagamento móvel M-Pesa, que não está relacionado ao setor financeiro. M-Pesa é um aplicativo de transferência móvel fornecido pela Safaricom Network Company. O usuário precisa possuir um cartão SIM Safaricom registrado e, após concluir o registro, a rede envia um menu atualizado para o telefone, permitindo ao usuário enviar dinheiro, pagar contas e fazer saques dos agentes da M-Pesa que facilitam as operações. Atualmente, esse sistema possui 25,57 milhões de usuários no Quênia e ajudou a aumentar o acesso a serviços financeiros à população em 8% desde 2016; tornando-se revoluconário.

Instrumentos de pagamento alternativos na inclusão financeira

Outra referência para a inclusão financeira é a Índia, onde o principal impulso tem sido a desmonetização como parte das metas do governo para promover pagamentos digitais e chegar à população sem-banco em áreas rurais. A jornada começou em 2009 com a implementação do cartão Aadhaar, que é o maior sistema de identificação biométrica, destinado a fornecer subsídios financeiros e outros subsídios, benefícios e serviços para a população indiana.

O cartão Rupay é outro instrumento de inclusão financeira endossado pelo governo. Este é um cartão de débito doméstico que pode ser usado para saques em todos os caixas eletrônicos e em PDVs para transações on-line no país. O cartão também pode ser emitido para qualquer titular de conta e é comumente utilizado pela população rural. Ele está disponível em bancos públicos, cooperativas, pequenos bancos e em alguns bancos privados selecionados . De acordo com a National Payment Corporation na Índia, os cartões Rupay e a Unified Payments Interface (UPI) possuem juntos 60% de participação de mercado de transações digitais na Índia, com mais de 560 milhões de usuários do cartão Rupay.

Inclusão financeira na América Latina

Segundo o Centro para Desenvolvimento Global (Center for Global Development, CGDEV), a América Latina ainda tem uma lacuna de 50% em termos de propriedade de instrumentos financeiros em sua população, em comparação com seus pares nos países desenvolvidos. Este é um indicador claro de que a região ainda tem um enorme potencial para crescer. Algumas empresas de fintech já pretendem capitalizar e se tornar um divisor de águas.

A Aflore é uma das Fintechs mais reconhecidas no mercado latino-americano e pertence a uma categoria de plataformas financeiras alternativas que fornecem empréstimos aos sem-banco através de consultores financeiros informais. O modelo de negócios busca formalizar o comportamento do sistema informal, onde as pessoas emprestam dinheiro entre si. A empresa expandiu seus serviços em todo o continente e, em 2014, a Aflore foi indicada como uma das startups mais promissoras de responsabilidade social mais promissoras da América Latina. Atualmente, desembolsou mais de US $ 1,3 milhão em empréstimos

Outro exemplo latino-americano é o Nequi, que é uma carteira móvel gratuita, fornecendo serviços financeiros a todas as pessoas com um smartphone. Para obter o Nequi, o usuário baixa o aplicativo, preenche o formulário de registro (que inclui reconhecimento facial) e pode começar a economizar dinheiro, fazer pagamentos online e transferências bancárias, pagar pelo serviço DIRECTV e recarregar seus telefones celulares. Devido ao seu relacionamento com o Bancolombia, os usuários do Nequi também podem fazer saques em dinheiro em seus caixas eletrônicos. Nequi recebeu o prêmio da Celent como o “melhor banco digital” por sua inovação e capacidade de oferecer inclusão financeira.

Desafios e oportunidades para provedores de serviços de inclusão financeira

Para os principais participantes neste novo ecossistema, é necessário pensar sobre as tecnologias disruptivas que estão surgindo. De acordo com a pesquisa de inclusão financeira na América Latina da Celent, os canais móveis e APIs abertas são consideradas as duas tecnologias mais importantes para promover a inclusão financeira. Surpreendentemente, o Blockchain terminou em último lugar, apesar do seu potencial. As APIs abertas permitem serviços bancários abertos (open banking) que permitirão que as fintechs, startups e usuários finais conectem-se diretamente aos bancos sem intermediários, mantendo baixos os custos de transação e fazendo da interoperabilidade uma realidade.

Os consumidores sem relações bancárias tradicionais consideram que os custos de serviços financeiros são muito altos, e preferem métodos alternativos de financiamento e transações em dinheiro. O crescimento de serviços digitais reduz os custos para atender a uma demografia tradicionalmente de baixa renda.

Está claro que o banco digital e móvel tem o potencial de oferecer muito aos sem-banco devido à sua acessibilidade e baixo custo . No entanto, é necessário que os bancos adotem essa mudança de paradigma e iniciem a jornada da inclusão. Embora as fintechs devam criar novos modelos, aplicativos ou metodologias disruptivos que permitam aos não-bancários acessar serviços financeiros, é importante considerar o papel principal dos formuladores de políticas e como eles podem promover a inclusão financeira nos promissores mercados emergentes da América Latina.

Payments Expert

ACI Worldwide powers electronic payments for financial institutions, retailers and processors around the world with its broad and integrated suite of electronic payment software.

[class^="wpforms-"]
[class^="wpforms-"]
[class^="wpforms-"]
[class^="wpforms-"]
[class^="wpforms-"]
[class^="wpforms-"]